• Carol Lara

La Ciotat, Bandol, La Badine e o verão que finalmente chegou!

Começamos a semana ainda abrigados do mistral em La Ciotat, e aproveitamos para levar o Dinghy para o seco – para mexermos no carburador do motor de popa. O Per, que entende super de motores e a Sandra foram conosco, puxando o bote, e no meio do serviço precisamos de outras ferramentas para a função. Em La Ciotat tem uma área militar na baía, onde os aviões fazem treinamentos – e neste dia eles estavam dando um show, mergulhando na água, enchendo os tanques com água do mar, e jogando fora toda aquela água. Eu e a Sandra ficamos encantadas, filmando, tirando muitas fotos, até que achamos que os tais aviões estavam meio perto dos nossos barcos. Foi quando tivemos a brilhante ideia de olhar onde estavam os meninos: literalmente invadiram essa área com o Dinghy do Per, derivando e sendo buscados pela guarda-costeira local. Foi no mínimo bem engraçado. O dia todo ficamos nessa função de tentar resolver o dinghy, mas novamente, foi em vão. E pior, o motor do Eagle resolveu pegar essa doença e parou também. Voltamos remando até os barcos e com aquela mini-sensação de derrota – usamos o dia todo e não conseguimos consertar.

No dia seguinte, aproveitamos a janela do vento para velejarmos até Bandol. Bandol é um abrigo muito bom dos ventos – mas péssimo dos swells, então tivemos dias bem chacoalhados. E ventava tanto, que infelizmente essa foi uma cidade que só conhecemos do barco mesmo já que enfrentar a ventania no remo seria tarefa insana – enquanto acompanhávamos o trem passar em cima dos arcos romanos que a gente via do cockpit.

O chacoalhar era tamanho que decidimos aproveitar a próxima janela e ir logo para La Badine, que é próximo de Hyeres, onde conseguiríamos levar o motor para uma autorizada. Fizemos uma ótima velejada, e chegamos em La Badine com tempo de sobra para curtir o final do dia. La Badine é uma praia, mas aqui na nossa ancoragem, temos acesso a 3. Duas de pedra, bem européias de doer a sola do pé, e uma grandona de areia. No primeiro dia, era aniversário do Lionel, um amigo francês dos meninos que tem viajado conosco, e fomos encontrar com ele em Hyeres. Fomos de ônibus até lá e demos a sorte de pegar o último deles. A cidade é muito bonitinha, charmosa – e jantamos num restaurante que usa a praça como salão. O Fernando comeu uma carne que ele jura que estava deliciosa e eu comi um pato bem gostoso! Na volta, precisamos pedir um Uber, e a remada foi intensa mas divertida, arrematando a noite.

O Vincent chegou no dia seguinte, um dia de muito vento – ele teve alguns problemas com o barco dele, incluindo um barco que garrou na ancoragem anterior e bateu nele, mas chegou chegando e se instalou aqui na nossa ancoragem, somando mais um barco a nossa flotilha.

Fomos jantar no Eagle, e comemos uma ratatouille que o Lionel fez. Na volta, ganhamos uma carona do Vincent, que fez uma direção radical do dinghy - e chegamos encharcados em casa.

O frio que estava teimando em persistir começou a dar sinais de que ia embora, e ele foi mesmo. No sábado o Lionel passou aqui para mais uma tentativa de conserto do Outboard, que prometemos que seria a última – caso contrário – iríamos levar o infeliz lá na autorizada para fazer um conserto profissional. Depois de horas de limpeza de agulhas, carburadores, velas e afins – pela milionésima vez – esgotamos todas nossas possibilidades – só com ajuda especializada mesmo. De tarde, conseguimos curtir a praia mais próxima, de pedrinhas, e caminhamos até o outro lado dessa ponta para ver uma outra praia, e enxergar Porquerolles, que será provavelmente nosso próximo destino. Foi um sábado muito gostoso, que terminou aqui no Saba com todos comendo um macarrão carbonara no capricho.

No domingo, fomos remando levar nosso lixo para a cidade, e aproveitamos para curtir a praia de areia. Estava um calorão e a gente conseguiu curtir a praia de verdade, como brasileiro gosta – sol, areia, cerveja e banhos de mar. Finalmente, vem verão! – Ontem também era o dia do solstício de verão, e a França toda tem festivais de música espalhados pelas cidades, celebrando a Festa da Música. Começamos com um happy hour no Eagle, com direito a Gin Tonica com gelo (luxo!). Depois de tentarmos ir a um restaurante que parecia karaokê de natal, mudamos para uma pizzaria – e a pizza estava bem gostosa – e então fomos pra um outro lugar na frente da praia, onde a música era mais animada e a banda bem boa. Ao voltarmos pra casa, remando do Eagle para o Saba, tivemos nosso primeiro homem ao mar! O Fernando caiu do bote tentando desembarcar – mas nada muito grave, e aparentemente sem nenhuma perda significativa – tudo seco.

A oficina não abre segunda feira, então na 3ª devemos movimentar o barco para mais perto do porto, para facilitar a levada do motor. Vamos aproveitar para fazer compras – já que estamos há 12 dias na água, e a maior parte das coisas frescas já acabaram. Também vamos usar essa parada mais longa para aguardar a Roxane e o Ben, que finalmente saíram de Port Saint Louis, mas rasgaram uma genoa no caminho – e estão em La Ciotat aguardando o conserto. Em breve teremos nossa flotilha completa, e os nossos documentos que estão vindo com eles. Essa semana tem previsão de calor, tempo bom e pouco vento – então vai ser uma delícia estar por aqui e ter tantas opções de praia e coisas para fazer por perto.

Bons ventos e boa semana para todos!



Garagem cheia de visitas! Assim que é bom!

22 visualizações
  • Instagram
  • Facebook

Sailing Saba - Charters, Turismo, Férias a bordo de um veleiro na Europa - Croácia e Sardenha